Será que tem parasita nessas fezes?

5 de Agosto de 2013 at 8:57 Deixe um comentário

Marcelo Alberto Elias
Biólogo – Professor / Mestrando em Biologia Comparada – UEM

01Quem nunca teve uma crise de diarréia na vida que acabou te colocando frente a frente com aquele “frasquinho”? O exame parasitológico de fezes, (nome dado ao exame em que se coleta fezes no “frasquinho”) tem como objetivo investigar a presença de parasitos. Mas por que isso?

O último levantamento estatístico publicado pelo Ministério da Saúde referente ao período do ano 2000 ao ano 2011,o parasito chamado Giardia sp, compõe a lista dos vinte e dois vilões ou responsáveis por surtos alimentares diarréicos no Brasil.

O parasito foi visto pela primeira vez ao acaso no ano de 1681 pelo holandês Leeuwenhoek, que era fabricante de microscópios .A partir de então os cientistas da época começaram a identificar, descrever e até mesmo a entrar em contradições em relação a ele. O problema foi compreender que se tratava de uma zoonose. Neste caso, o reservatório pode ser animal ou humano e a doença também pode alcançar os dois grupos.

Então em 1915 os exemplares de origem humana recebem o nome de Giardia lamblia e a doença causada por ele giardiose ou giardíase.

02

*Figura 2: (A)representando a forma trofozoíta e (B) cisto de Giárdia lamblia. Fonte: Google/image/giárdia.

 

Quanto à morfologia, o parasito pode ser encontrado de duas formas, na forma de trofozoíto com ventosa e flagelos ou cisto. Havendo a infecção humana através da ingestão por cistos maduros, junto com alimentos ou com a água, dá-se inicio ao seu desencistamento, no meio ácido do estômago, e termina no duodeno. Assim, no duodeno se encontram parasitos na forma de trafozoítos que se reproduzem assexuadamente por divisão binária e em poucos dias temos um “tapete de parasitos” fixados na parede do duodeno.Seguindo sua vida diariamente alguns trofozoítos se desprendem da parede do duodeno e seguem o caminho do bolo alimentar chegando a outras partes do sistema digestório, principalmente jejuno e ceco, iniciando assim o processo de encistamento e esses cistos sairão juntamente com as fezes.

O esquema abaixo representa o ciclo de vida deste parasito em situações de infecção em seres humanos. (ciclo de vida da Giárdia lambia)

03

As manifestações clínicas da doença podem variar de pessoa para pessoa, estudos mais recentes apontam ainda que diferentes cepas ou assemblagens do parasita também podem causar sintomas distintos. No entanto, em geral, as manifestações são todas voltadas ao sistema digestório tais como: má absorção intestinal, emagrecimento, irritação e principalmente diarréia. A doença pode ainda evoluir de uma fase aguda para a fase crônicas em sintomas algum.

Embora, ainda segundo a mesma estatística do ministério da saúde citado inicialmente apontem que a região SUL representa apenas 9,75% dos casos registrados de surtos diarréicos, o Paraná fica em primeiro lugar entre os estados da região.

Então atenção! Como a giardíase é uma zoonose onde sua transmissão é via fecal oral, tanto você quanto seu “bichinho” de estimação deve manter a boa higiene em dia. Sobre esse assunto você pode aproveitar e conferir ou reler as dicas dos artigos publicados em nosso Blog.

Entry filed under: Sem categoria. Tags: , , , , , .

Artrite é coisa de gente velha? Narguile: Fumacinha que só faz mal à saúde

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Site do MUDI

Arquivo


%d bloggers like this: