Candidíase oral e vulvovaginal

27 de Maio de 2014 at 20:52 Deixe um comentário

Franciele Abigail Vilugron Rodrigues
Bióloga.
Mestranda em Biociências e Fisiopatologia

Normalmente quando se fala em infecção pensamos em bactérias, mas várias doenças podem ser originadas por fungos.
Os fungos estão em todo lugar, de acordo com seu gênero e espécie cumprem as mais diversas funções na natureza, desde decompositores até causadores de doenças (fungos patógenos). Entre os fungos patogênicos estão as leveduras. As cândidas formam o principal grupo de leveduras e são as causadoras da Candidíase oral e vaginal em que a espécie Candida albicans predomina.

Figura 1.Espécie de levedura Candida albicans vista em microscópio ótico.

Figura 1.Espécie de levedura Candida albicans vista em microscópio ótico.

Figura 2. Candidíase oral. As manchas       esbranquiçadas são colônias de Candida.

Figura 2. Candidíase oral. As manchas esbranquiçadas são colônias de Candida.

Como eu pego essa doença?
Tanto a Candida albicans como as outras cândidas habitam a biota normal do nosso organismo principalmente na boca vagina, intestino e pele. As cândidas são organismos oportunistas, o que significa que elas se aproveitam do estado fragilizado do organismo para invadir o tecido e causar uma infecção.
Quando a biota do tecido da boca ou da vagina é alterada, pode ser uma condição ideal para desenvolver uma candidíase. Essas alterações estão intimamente relacionadas ao enfraquecimento do sistema imunológico que pode ocorrer devido: tratamento com medicamentos como antibióticos, anticoncepcionais, quimioterápicos e corticoides por longos períodos. Indivíduos subnutridos, submetidos a procedimentos cirúrgicos e diabéticos também são suscetíveis.
Causas de candidíase oral, famosos “sapinhos”: o bebê pode adquirir a candidíase da mãe durante o parto normal; baixo peso de idosos; uso de dentadura; viciados em drogas ilícitas.
Causas de candidíase vaginal: gravidez; uso de roupas justas e de material sintético; uso de absorventes; maus hábitos higiênicos, como a higiene anal realizada no sentido de trás para frente e os resíduos de fezes que podem ficar nas roupas íntimas; menopausa; uso de determinados sabonetes que podem alterar o pH da vagina; promiscuidade sexual.

Como eu sei que estou com Candidíase?
Os principais sintomas que uma pessoa com candidíase oral apresenta são alteração do paladar, dificuldade em engolir e o sintoma mais comum é o aparecimento de placas esbranquiçadas na boca, na parte interna das bochechas, língua ou garganta.

Figura 3.Sintomas de candidíase oral. Manchas esbranquiçadas no céu da boca

Figura 3.Sintomas de candidíase oral. Manchas esbranquiçadas no céu da boca

Figura 4.Sintomas de candidíase oral. Manchas esbranquiçadas na gengiva.

Figura 4.Sintomas de candidíase oral. Manchas esbranquiçadas na gengiva.

Os sintomas mais comuns de uma infecção na vulva incluem coceira, inchaço e uma secreção espessa com odores. Infecções fúngicas vaginais são normalmente associados com a gravidez. Estima-se também que todas as mulheres em seu tempo de vida terá tido uma infecção de C. albicans.

Figura 5. Vulva com candidíase vulvovaginal.

Figura 5. Vulva com candidíase vulvovaginal.

Figura 6. Recém-nascido com candidíase vulvovaginal.

Figura 6. Recém-nascido com candidíase vulvovaginal.

Tratamento

A candidíase não é uma doença grave, desde que você seja uma pessoa com sistema imunológico em bom funcionamento. Basta procurar um médico, que ele receitará algum antifúngico para o tratamento como: Fluconazol. Vale ressaltar que ainda é necessário o descobrimento de novos medicamentos para o tratamento das candidíases.

Figura 7.  Principal medicamento para tratamento de micoses.

Figura 7. Principal medicamento para tratamento de micoses.

Já para indivíduos imunocomprometidos a preocupação é maior, pois seu sistema imunológico está muito danificado e uma simples levedura pode causar uma infecção sistêmica comprometendo vários órgãos, já que essas leveduras se aproveitam da deficiência imunológica do organismo. Assim, é de muita importância os cuidados e acompanhamento médico constante.

Para saber mais acesse:

http://www.uricer.edu.br/new/site/pdfs/perspectiva/133_250.pdf
http://www.icb.ufmg.br/mic/material/agentesetiologicosdasmicosesoportunistas.pdf
http://web.uconn.edu/mcbstaff/graf/Student%20presentations/Calbicans/Calbicans.html
http://www.tuasaude.com/candidiase-vaginal/
http://www.tuasaude.com/candidiase-oral/

Entry filed under: Sem categoria. Tags: , , , , .

A CIÊNCIA NOS DESENHOS ANIMADOS Farmacogenética: Terapia Individualizada

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Site do MUDI

Arquivo


%d bloggers like this: