VOCÊ JÁ OUVIU FALAR SOBRE A CONSULTA DE ENFERMAGEM GERONTOGERIÁTRICA?

13 de Novembro de 2018 at 10:07 1 comentário

Isabela Vanessa Tavares Cordeiro Silva

Nayana Flor Ulbinski

Graduandas do Departamento de Enfermagem da

Universidade Estadual de Maringá – UEM.

O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial e estima-se que no ano de 2025 existirá cerca de 1,2 bilhões de pessoas com a faixa etária acima de 60 anos de idade, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Com o aumento da população idosa, faz-se necessário que programas de atenção ao idoso sejam criados pelos governantes e que os profissionais de saúde estejam sempre atentos às demandas do processo saúde, doença e reabilitação social destes idosos.

Para avaliar a saúde das pessoas e indicar tratamentos e cuidados, os profissionais de saúde realizam consultas, como o (a) enfermeiro (a).

A consulta de enfermagem é uma grande ferramenta para investigar como anda a saúde das pessoas. Quando realizada com idosos ela se chama consulta de enfermagem gerontogeriátrica e busca avaliar o envelhecimento normal e também aquele que é acompanhado de doenças e desgastes.

A consulta de enfermagem foi instituída pela Lei nº 7.498/1986 que regulamenta o Exercício da Enfermagem e é uma atividade privativa do enfermeiro que  realiza – por meio de uma conversa, da avaliação física, psíquica e social – o levantamento do estado de saúde, faz diagnóstico de situações que requerem cuidados especiais e prescreve cuidados.

 

Para desempenhar uma consulta gerontogeriatrica com qualidade e precisão, o enfermeiro utiliza alguns instrumentos que são recomendados internacionalmente e também no Brasil para avaliar sua condição geral de saúde (Física, Mental, Social). São eles:

MINI EXAME DO ESTADO MENTAL (MEEM): Trata-se de um teste breve de rastreio cognitivo para a identificação de demência, o seu escore é de 30 pontos indicando o maior desempenho cognitivo. A pontuação pode ser influenciada pela escolaridade do individuo.

ESCALA DE LAWTON E BRODY DE ATIVIDADES INSTRUMENTAIS DE VIDA DIÁRIA (AIVD): É uma escala que identifica se o idoso é capaz de realizar atividades do cotidiano como, por exemplo, limpar a casa. Desta forma este instrumento avalia o grau de dependência/ independência com escore final podendo-se ser os seguintes: independentes, capazes com auxilio e dependentes.

ESCALA DE DEPRESSÃO GERIÁTRICA (GDS): Esta escala é utilizada para o rastreamento de sintomas depressivos nos idosos, as perguntas que são realizadas na escala devem ter as respostas as respostas referentes a partir dos últimos 30 dias. O resultados podem ser menor de 5 pontos (idoso não apresenta sinais depressivos), se for 5 pontos( depressão) e maior que 11( depressão grave).

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO IDOSO VULNERÁVEL VULNERABLE ELDERS SURVEY (VES-13): O VES-13 foi desenvolvido com o objetivo de identificar os idosos vulneráveis residentes da comunidade os critérios estabelecidos são: idade, auto-percepção da saúde, limitação física, incapacidades. Os idosos podem ser classificados como idoso robusto, risco de fragilização médio risco e frágil alto risco.

ÍNDICE DE KATZ: O índice de Katz avalia a capacidade funcional dos idosos pelo seu desempenho e dependência na atividade de vida diária, como: banhar-se vestir-se, ir ao banheiro, transferência, continência e alimentação. O escore final podendo-se ser os seguintes: independência, dependência moderada e muito dependente.

Depois de levantar essas informações, o enfermeiro faz o diagnóstico para definir quais situações específicas precisam de intervenção. Em seguida, é  organizado o plano de cuidados, que inclui intervenções para resolução dos problemas levantados.  Os diagnósticos e intervenções que a enfermagem estabelece são baseados em termos próprios, como a Classificação Internacional das Práticas de Enfermagem em Saúde Coletiva (CIPESC)

Pode-se dizer seguramente que a consulta de enfermagem  gerontogeriátrica contribui para a saúde física, autonomia, integração social e independência do idoso e se faz imprescindível à necessidade de assistência de saúde voltada a população idosa em sua total dimensão auxiliando na prevenção de fragilidades e incapacidades, promoção, recuperação, reabilitação e/ou manutenção da saúde.

PARA SABER MAIS:

SAAD, Paulo M. Envelhecimento populacional: demandas e possibilidades na área de saúde. Séries Demográficas, v. 3, p. 153-166, 2016.

UNA-SUS. Universidade Federal do Maranhão. Cuidados de Enfermagem em Gerontologia. Ivone Renor da Silva Conceição (Org.). São Luís: UNA-SUS, 2014.

ROCHA, Maria José Gomes et al. Instrumento de coleta de dados para consulta de enfermagem em gerontogeriatria. 2016.

ALBUQUERQUE, Lêda Maria; CUBAS, Marcia Regina. Classificação Internacional das Práticas de Enfermagem em Saúde Coletiva. São Paulo: Prefeitura da Cidade de São Paulo, s/a.

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

Agrotóxicos: uma ameaça à saúde do agricultor A CRONOBIOLOGIA COMO UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO: UM ELO ENTRE CIÊNCIAS HUMANAS E BIOLÓGICAS.

1 Comentário Add your own

  • 1. CRISTIANY SCHULTZ  |  14 de Novembro de 2018 às 8:45

    Parabéns pelo trabalho!!

    Gostar

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Site do MUDI

Arquivo


%d bloggers like this: